5Gbet
Compartilhe

Brasil abriu as portas para o sonho empreendedor de casal de refugiados

Andrea Cordero e José Obregón contaram com apoio do Sebrae para abrir o próprio negócio com foco em cosméticos e sustentabilidade
PorRedação
5Gbet
Compartilhe

“Estamos dando nosso máximo para crescer como pessoas e como empresa no país que nos deu esperança e alternativas para uma vida melhor”, afirmam Andrea Cordero e José Javier Obregón. O casal deixou a Venezuela com destino a Osasco (SP), em fevereiro de 2022, em busca de oportunidade de trabalho. Hoje, já administram o próprio negócio: a Ceres Natural, voltada à fabricação de cosméticos naturais. A empresa nasceu do sonho de formular com ciência e consciência e do investimento de R$ 1.500. Com suporte do Sebrae, os empreendedores apostam na venda digital, já visando à exportação.

Valorizar o meio ambiente é premissa de Andrea, que sempre sonhou em criar uma empresa amiga da natureza.

A sustentabilidade nos negócios é um desafio e uma necessidade para salvar o planeta e as gerações futuras. Por isso, nossos materiais são veganos e dispensamos testes em animais e não utilizamos fórmulas prejudiciais.

Andrea Cordero, sócia de José Javier Obregón na empresa Ceres Natural.

Graduada em Engenharia de Sistemas de Qualidade e Ambiente, carreira que engloba a gestão ambiental e de qualidade, ela vinculou sua formação aos conhecimentos que tinha enquanto maquiadora e manipuladora de cosméticos.

Em 2020, conheceu o namorado, que até então era seu colega de faculdade. Quando se formou, José passou a atuar como engenheiro agrônomo na área de plantas aromáticas e medicinais. Andrea propôs combinar os respectivos conhecimentos e os dois decidiram apostar na empreitada. Começaram a estudar boas práticas do mercado, processos de fabricação e normativas internacionais. Ainda na Venezuela, eles perceberam que não conseguiriam viabilizar o projeto, tanto pelas questões sociais e econômicas do país, quanto pela escassez de matéria-prima, como glicerina, óleos essenciais e vegetais.

O Brasil surgiu como oportunidade para realizar esse sonho. Mas o trajeto percorrido até aqui não foi fácil. O casal viajou de carro mais de 1.700 quilômetros até cruzar a fronteira com Roraima. Ao desembarcarem em Pacaraima, eles receberam assistência do Alto Comissariado das Nações Unidas e das autoridades locais. Na sequência, partiram para Osasco (SP), cidade onde mora o pai de Andrea, também refugiado.

“Nunca sofremos por xenofobia, muito pelo contrário, os brasileiros nos acolheram. Sentimos um povo que gosta de ajudar o próximo. Somos tratados respeitosamente”, conta José. Por meio da World Vision, organização internacional de ajuda humanitária, Andrea participou de processo seletivo para trabalhar em uma empresa de jogos on-line infantil e José foi trabalhar num instituto educacional. A partir daí, a dupla se disciplinou a economizar 40% da renda fixa que ganhavam para investir na empresa.

Extrapolando fronteiras

A Ceres Natural foi planejada na Venezuela, mas nasceu, de fato, em solo paulista, em outubro de 2022, com investimento inicial de R$ 1.500. Com o slogan “formular com ciência e consciência”, os produtos contêm ingredientes 100% naturais, incluindo as embalagens, que atendem ao conceito 3R (reduzir, reutilizar e reciclar). Apesar de ter iniciado a produção na própria casa, por questões de higiene e segurança, o casal logo buscou um espaço adequado. Depois de passar por testes de qualidade, os produtos foram avaliados por parentes e amigos.

Andrea e José se dedicam a produzir cosméticos durante cinco horas por dia e, nas demais, focam na logística e publicidade. O principal canal de vendas da Ceres é a Shopee, via atacado e varejo. “A experiência é dinâmica. Quem estiver começando, sugerimos que sejam criativos e inovadores ao oferecer os produtos, para ter mais tráfego nas vendas”, aconselha José. Com preços a partir de R$ 10, os produtos mais vendidos são o óleo para crescimento de sobrancelha, com argan, rícino e alecrim, hidratantes para tatuagem, além da linha pet, com hidrante para patinhas e sabonete antipulgas.

Incentivo que mudou a história

Com apoio do Sebrae, Andrea se formalizou como microempreendedora individual (MEI) em outubro do ano passado. O casal recebeu toda a formação inicial até ser convidado a participar da Feira do Empreendedor, em 2022. “Foi um desafio porque a Ceres ainda estava nascendo e tínhamos pouco estoque. Vendemos muitos sabonetes de aveia branca e lavanda. Ao mesmo tempo, foi importante conhecer a necessidade do público para melhorar as fórmulas. Nos motivou a impulsionar os negócios”, relembram.

Os produtos foram bem recebidos pelos brasileiros, principalmente quem já consumia e tinha consciência sobre a cosmética natural. A partir de então, a Ceres Natural começou a se posicionar nas plataformas digitais e os empreendedores conseguiram equilibrar o dinheiro das vendas com o custo dos materiais. Para o casal, o aprendizado nunca pode parar. “Vamos continuar nos capacitando para fazer crescer a empresa, principalmente na área de exportação. Estamos trabalhando para entregar um lote maior de vendas e lançar novos produtos”, projetam os empreendedores venezuelanos.

  • cosméticos
  • desenvolvimento sustentável
  • imigrantes
  • Refugiados