5Gbet
Compartilhe

Sebrae destaca a importância dos pequenos negócios como agentes da transição de baixo carbono na COP-28

Durante a conferência, o diretor-técnico André Schelini enfatizou a urgência de envolver esses empreendimentos nessa trajetória fundamental para o futuro do planeta
PorRedação
5Gbet
Compartilhe

O Sebrae/MT ressaltou a grande importância da transformação dos pequenos negócios como protagonistas da transição para uma economia de baixo carbono durante a 28ª edição da COP, a Conferência do Clima da ONU, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indica que é impossível alcançar a agenda de transição de baixo carbono sem envolvimento dos pequenos negócios nesse processo. Considerando o relatório recente da organização, o diretor-técnico do Sebrae/MT, André Schelini, enfatizou a urgência de envolver esses empreendimentos nessa trajetória considerada fundamental para o futuro do planeta.

“Os pequenos negócios são peças-chave neste cenário de transição. É imperativo que eles estejam na vanguarda desse movimento rumo à sustentabilidade”, destacou Schelini durante as participações em painéis e rodadas de bate-papo da COP-28.

O Sebrae em Mato Grosso é referência nacional em sustentabilidade por gerir o Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS), que neste ano conduziu uma pesquisa com pequenas empresas mergulhando na essência da abordagem ESG (Ambiental, Social e de Governança) e sua relação com a sustentabilidade.

“A maioria desses empreendimentos compreende a importância da sustentabilidade, mesmo que ainda não dominem os termos técnicos e sem estarem familiarizados com as siglas ESG, ASG ou ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável]. Essa consciência é um passo crucial para o engajamento efetivo”, destaca André.

A abordagem do Sebrae não se limita à mitigação das emissões de gases do efeito estufa. A instituição busca também aprimorar a competitividade dessas empresas. Isso se traduz na inserção estratégica dos pequenos negócios em cadeias produtivas e de valor que abracem a gestão da transição para uma economia de baixo carbono.

No contexto do pacto global da Agenda 2030, destacam-se três escopos fundamentais: gestão das emissões da empresa, energia utilizada nos processos produtivos e a pegada de carbono gerada na cadeia produtiva.

“A inclusão dos pequenos negócios nessa agenda não só os tornam mais competitivos, mas também assegura sua participação no mercado global. Um diálogo contínuo com os atores territoriais é essencial para promover e implementar essa agenda. O ambiente de negócios e o engajamento empresarial são fundamentais, não apenas na formulação de políticas públicas, mas na capacidade dos territórios de explorar suas potencialidades locais para impulsionar a atividade produtiva”, frisou o diretor.

Cenário setorial

Os pequenos negócios desempenham um papel vital na cadeia produtiva em Mato Grosso, entre eles os setores de commodities agrícolas e de biocombustíveis. Para atender a essa demanda, o Sebrae é um instrumento fundamental para preparar empreendedores para contribuir com essa pauta, por meio de capacitações e orientações do sistema.

O Cidades Empreendedoras é um dos programas do Sebrae que contribui efetivamente no processo de promoção à articulação dos atores locais e implementação políticas públicas alinhadas com essa agenda. O programa Conexão Sebrae integra os pequenos negócios nas cadeias de valor, fomentando a inovação e sua inserção nessas cadeias produtivas.

Enquanto, a consultoria ESG é uma ferramenta valiosa para mapear a pegada de ecológica das empresas e implementar práticas sustentáveis, inclusive aquisição aquisição de UCS (Unidades de Crédito de Sustentabilidade), que certifica com o selo ‘Tesouro Verde”, metodologia desenvolvida em parceria com Grupo BMV Global – que foi selecionada como uma das 18 soluções para mudanças climáticas no mundo.

“Um dos maiores conservadores do clima é a preservação das matas. E o Sebrae escolheu o que há de melhor no Brasil para essa parceria. O selo ‘Tesouro Verde’ proporciona acessibilidade às pequenas empresas para que estejam dentro das novas economias, para que elas estejam inseridas no mercado alinhadas às práticas ESG, demonstrem a responsabilidade com os critérios dos ODS’s e também dar a credibilidade por estarem posicionadas no mercado”, pontuou a diretora do Grupo BMV Global, Pâmela Pádua.

Por meio de parcerias estratégicas, como a estabelecida com o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), o Sebrae trabalha para levar conhecimento como por exemplo publicações de cartilhas e processos, como o “Manual de Gestão Sustentável” para municípios, que orienta políticas públicas rumo à transição de baixo carbono.

A presença e as iniciativas do Sebrae na COP-28 evidenciam o compromisso em transformar os pequenos negócios em agentes ativos da transição de baixo carbono, garantindo sua competitividade e contribuição efetiva para um futuro sustentável.

  • COP 28
  • CSS
  • desenvolvimento sustentável
  • Dubai
  • Mudanças climáticas