5GbetAtualização
Compartilhe

95% dos atendidos em projeto do Sebrae e da CDL BH implementaram inovações em seus negócios

Projeto impacta cerca de 1,3 mil empreendedores de pequeno porte em todo o país com resultados surpreendentes a partir de qualificação com base nos problemas de cada empresa
PorRedação
5GbetAtualização
Compartilhe

Em 2020, após uma década atuando como professora universitária, a designer Maiara Camillo resolveu dar um passo a mais e abrir a sua própria consultoria embranding e experiência de marca. “A pandemia proporcionou uma oportunidade para as marcas se destacarem no ambiente digital e, ao mesmo tempo, introduziu novos desafios para o setor. Esse cenário me motivou a aplicar minha experiência acadêmica em soluções práticas para o mercado”, conta. Mas a empreendedora de Florianópolis (SC) sentia que precisava imprimir uma visão inovadora ao negócio para se destacar no mercado.

Foi quando participou do projeto Varejo Inteligente Conecta Brasil, uma parceria do Sebrae com a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH). Por meio de workshops, treinamentos e consultorias, Maiara identificou espaço para a criação de produtos e serviços diferenciados, como um modelo de gestão voltado a melhorar a experiência da marca nas lojas. “Esse serviço já atraiu o interesse de diversos profissionais do setor, levando a reuniões promissoras”, conta. Para 2024, ela planeja expandir a divulgação e implementação do novo serviço em todo o estado de Santa Catarina.

A designer Maiara Camillo resolveu dar um passo a mais e abrir a sua própria consultoria em branding e experiência de marca. Foto: arquivo pessoal.

Maiara faz parte de 1,3 mil pequenos negócios — entre micro e pequenas empresas, além de microempreendedores individuais (MEI) — impactadas pelo Varejo Inteligente Conecta Brasil, que oferece uma aceleração aos empreendimentos a partir dos problemas diagnosticados em cada uma delas. Essa personalização trouxe um resultado surpreendente: 95% dos participantes implementaram ao menos uma inovação ao longo da trajetória de qualificação, tais como: novos sistemas de gestão, ferramentas de pesquisa no pós-venda e de controle financeiro, ativação de soluções Google, novos canais de vendas no ambiente digital e novos processos operacionais (logística, estoque, contratações etc.).

O projeto promoveu ainda, na fase mais recente, eventos de conexão entre as empresas atendidas e startups com perfil para atendê-las em suas necessidades, o que deve gerar parcerias e novos negócios, com volume previsto, até o momento, de cerca de R$ 63 mil em novos contratos. Esses e outros resultados serão apresentados em 31 de outubro, durante um evento aberto ao público no modelo híbrido (presencial com transmissão on-line), onde os cinco empresários que mais se destacaram no Varejo Inteligente receberão um prêmio.

O trabalho precisa sempre atender a demanda do empreendedor, somente assim, iremos alcançar a sustentabilidade, a inovação e a inclusão almejadas. Focar primeiro no problema, realizar um bom diagnóstico, é o caminho para que sejamos mais assertivos. O empreendedorismo precisa deste tipo de parceria e o Sebrae tem este papel.

Décio Lima, presidente do Sebrae.

Em um primeiro momento, cerca de 16 negócios foram firmados entre empresas e startups, mas há ainda a previsão de 38 novas possibilidades.

“A conexão entre startups e micro e pequenos negócios mostrou que há muito o que ser aproveitado nesses ecossistemas. Aliar inovação e empreendedorismo é um excelente caminho para a valorização desses negócios, que já representam uma força econômica significativa”, avalia o presidente da CDL/BH e do conselho deliberativo do Sebrae Minas, Marcelo de Souza e Silva.

O projeto começou na capital mineira, em 2016, e foi nacionalizado em fevereiro deste ano. A proposta incluiu o mapeamento dos principais obstáculos para 3.300 micro e pequenos empreendimentos e microempreendedores individuais (MEI) de todo o país e o apoio para a capacitação e a superação das adversidades. Os empresários elencaram como principais desafios a gestão do negócio, o crescimento das vendas e a atração de clientes. Também foram citadas questões envolvendo recursos financeiros, pessoal (mão de obra) e produtos.

Depois da pré-seleção, 1.300 empresas foram qualificadas para a fase seguinte e, a partir dos critérios exigidos pelo projeto, um grupo de 900 recebeu consultorias e orientações mais individualizadas.

O projeto não é dedicado apenas a quem busca fazer grandes inovações no próprio negócio, mas também quem precisa absorver melhor o bê-á-bá da gestão organizacional e financeira. Era a necessidade da empresária no ramo de confeitaria Andressa Cristina Pimentel de Barros, que começou com produção de ovos de Páscoa de brownies, em 2020, e hoje expandiu o cardápio, com docinhos tradicionais e gourmet para as comemorações. “Foi algo muito despretensioso, só foi acontecendo, não foi planejado, mas, quando vi, estava trabalhando, criei uma lojinha”, conta.

Após se dedicar às fases do programa, Andressa comemora os resultados. “Antes, eu não sabia diferenciar a pessoa física da jurídica. Não conseguia ter ideia do que a minha empresa rendia. Com as consultorias e os workshops, aprendi mais e estou colocando em prática”, comenta. “Também tive consultorias de marketing e foi incrível. Percebi uma diferença gigante na minha forma de comunicar, gatilhos mentais. Mensurar é bem difícil, mas já estou vendo grandes resultados e é só o início.”

  • confeitaria
  • design
  • Inova Varejo
  • Inovação