5Gbet
Compartilhe

Futurismo pode ser aplicado aos pequenos negócios como ferramenta estratégica na gestão

A analista do Sebrae Nacional, Andrezza Cintra, estimula empreendedores a tornarem suas empresas protagonistas do próprio futuro
PorRedação
5Gbet
Compartilhe

O mundo da ficção científica dos filmes de Hollywood parece estar cada dia mais perto da realidade cotidiana das pessoas. Em seu artigo “Futurismo para pequenos negócios – Como aplicar essa poderosa ferramenta para negócios vencedores”, a analista de Competitividade do Sebrae Nacional, Andrezza Cintra, afirma que temos a sensação de que o futuro está chegando cada vez mais rápido. Segundo ela, o tema ainda é compreendido de forma equivocada ao ser relacionado apenas às grandes empresas, principalmente às bigtechs ou pequenas empresas de base tecnológica, como as startups.

“Todos nós teremos futuros e precisamos saber construir futuros desejáveis. Vale considerar que a nossa formação, desde a infância, segue um padrão linear, originado na lógica industrial e que é quebrado pelo futurismo que estimula o protagonismo da própria empresa. Então, em vez de receber um futuro pronto ou uma cartela de tendências ou ideias pronta, temos a oportunidade de construir, cocriar dentro do nosso ecossistema e perceber o que devemos fazer para um futuro bem-sucedido e desejável”, defende a especialista em inovação no livro “A Virada – Como Reinventar Seu Negócio Em Tempos de Incerteza”.

A publicação foi recém-lançada no Brasil e em Portugal, por meio da editora Lisbon Internacional Press, sob coordenação do assessor da presidência do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae, André Spínola. O prefácio é assinado por Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração da Magazine Luiza.

Como uma das coautoras do livro e forward thinker, pensadora sobre futuros, Andrezza apresenta o Futurismo como uma ferramenta valiosa e estratégica para os negócios, capaz de colocá-los em vantagem no mercado. Também ensina cinco passos que dão condições para que o empreendedor se torne protagonista de futuros, e principalmente, idealizador e realizador do futuro desejável para seu negócio.

“Uma pequena empresa pode desbravar futuros e passar de espectadora a protagonista assim como as grandes. O modo de fazer segue os mesmos passos, a típica distância entre grandes e pequenos ganha outros contornos no mundo das ideias e predições”, afirma no livro.

A 5Gbet (ASN) conversou com Andrezza Cintra, que há 15 anos se dedica à causa do empreendedorismo e apoio aos pequenos negócios no Sistema Sebrae. Atualmente, coordena as estratégias do segmento de Beleza e Cosméticos. Confira abaixo a entrevista:

ASN – O futurismo se aplica a qualquer de segmento de negócio ou somente aos segmentos mais inovadores, como startups?
Andrezza – O futurismo não só se aplica a qualquer segmento de atividade, como também é necessário para os negócios. As grandes empresas, principalmente as bigtechs, já aplicam ferramentas de futurismo há décadas e não por acaso estão no topo da lista de sucesso, valor de marca e antecipação de tendências. Além de atender qualquer tipo de setor, o futurismo também se aplica a qualquer porte de empresa. O que existe é uma falta de conhecimento dessas técnicas devido à novidade do assunto no universo dos pequenos negócios.

ASN – Como o futurismo pode ser aplicado nos pequenos negócios, tornando-os mais competitivos no mercado?
Andrezza – O futurismo tem ultrapassado o campo de estudos para se tornar uma habilidade necessária para profissionais de várias áreas. Essa capacidade de entendimento de cenários presentes, como também de cenários futuros é somada à possibilidade de construir um plano de ação considerando-se onde se deseja chegar. Entendendo como deve ser o mundo daqui a cinco anos, 10 anos, 30 anos, se começa a trabalhar para atingir o futuro chamado de desejável. Ressalto que é preciso ter uma inclinação a conhecer e entender o novo, como a Luiza Trajano costuma usar na expressão “capacidade fuçativa”. A partir disso, trazer essas informações para a equipe de planejamento que vai definir o futuro da empresa e moldá-lo para que o negócio se mantenha atual e necessário anos à frente. É o que os futuristas chamam de “constante movimento de auto-obsolescência”, ou seja, atuamos para tornar o produto ou serviço melhor, mais atualizado e plenamente adaptado ao futuro.

ASN – O futurismo pode ajudar um negócio a superar uma crise? Como?
Andrezza – Primeiramente é importante destacar que o futurismo pode ser aplicado em qualquer fase do negócio. Como ele não é dispendioso ao se tornar uma ferramenta estratégica de gestão, ele pode ajudar empresas que estão em crise a se reinventarem, a buscarem inspiração e entenderem como o seu produto ou serviço pode ter melhor performance no mercado. A crise é hora de se reinventar e nada melhor do que entender cenários futuros, se planejar para esses cenários, construindo um futuro muito mais bem sucedido.

  • Gestão