5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasThu, 20 Jul 2023 12:11:19 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.4.35Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/seguranca-da-informacao-quais-cuidados-devo-tomar-no-meu-negocio/Mon, 06 Feb 2023 12:20:25 +0000https://www.emedist.com/?p=11416Proteger o negócio e os colaboradores é umas das grandes preocupações dos empresários. Mas quando o assunto é segurança cibernética, o tema tende a ser subestimado pelos empreendedores, seja pela falta de conhecimento ou por uma avaliação minimizada dos riscos que um ataque pode provocar à operação da empresa. Porém, esse é um perigo que ronda qualquer negócio, independentemente do seu tamanho ou visibilidade.

Essa questão deve ser enfrentada com a mesma seriedade dedicada à segurança física das empresas. Na verdade, a atenção deve ser ainda maior, já que umciber ataque pode causar danos de maior gravidade e abrangência do que um assalto ou arrombamento. Um novo golpe dos criminosos consiste em enganar empreendedores ao hackear o sistema de suas maquininhas de cartão, roubando dados dos clientes e fraudando as transações. No golpe, a máquina bloqueia o pagamento por aproximação, levando o cliente a inserir o cartão e a senha no equipamento hackeado. A fraude foi identificada pela empresa de cibersegurança Karspersky, que mapeou o malware Prilex.

A segurança da informação tem se tornado cada vez mais vital por conta do crescimento da dependência das empresas em relação à tecnologia. Esse movimento foi intensificado após a aprovação da Lei nº 13.709/2018, conhecida como Lei Geral de Proteção dos Dados Pessoais (LGPD), que exige das empresas muita atenção no manejo de informações dos seus clientes.

Atualmente, a maior ameaça on-line para empresas e órgãos públicos são os ataques ransomware, nos quais hackers assumem o controle de computadores, bloqueando o acesso a dados e sistemas. Os ransomwares representam mais da metade dos ataques cibernéticos realizados em todo o mundo.

Mas nem só desse tipo de ataque vive o crime cibernético. Outras formas, igualmente ameaçadoras, devem estar no radar de todo empreendedor. Algumas delas podem ser fraudes no e-commerce ou canal on-line e acessos não autorizados à rede da empresa.

O que fazer para garantir a segurança da empresa? Uma das alternativas é tentar evitar os ataques cibernéticos, ou pelo menos, reduzir os riscos. Conheça medidas imediatas e de prevenção para garantir a seguridade do seu negócio:

Medidas imediatas

Algumas ações podem ser tomadas de imediato para aumentar o nível de segurança de seu negócio:

  • Fazerbackups constantes dos dados da empresa, incluindo software, firmware, configurações dehardwareesoftware;
  •  Nunca abrir anexos ou clicar em links de e-mails de remetentes que você não conhece e conscientizar seus colaboradores para que façam o mesmo;
  •  Evitar transmitir nomes de usuário, senhas, dados financeiros e outras informações confidenciais por e-mail, aplicativos de mensagens ou ligações telefônicas;
  • Criar senhas fortes e não utilizar a mesma senha para várias contas;
  • Adotar a autenticação de dois fatores sempre que possível;
  • Só utilizar redes wi-fi confiáveis e seguras.

Medidas de prevenção

Segundo Diego Almeida, encarregado do Tratamento De Dados Pessoais Do Sebrae Nacional, focar em programas de treinamento e conscientização é um investimento que irá fortalecer todas as dicas, reduzindo o risco a um custo muito baixo. “Procure utilizar soluções de TI que sejam oferecidas como serviço e disponíveis na nuvem. Isso irá garantir alta disponibilidade e ainda segurança cibernética.”

Prevenir é sempre o melhor remédio, saiba quais táticas usar para fugir de problemas causados pela falta de segurança da informação:

Defina uma estratégia sólida de defesa

Elabore uma política de segurança da informação que determine quais são os processos críticos da empresa, quem pode ter acesso a quais dados ou sistemas e que informações são confidenciais ou não. Assim, você pode restringir o acesso do pessoal de acordo com seus níveis de autorização.

Elabore um plano de recuperação

Além de criar um plano de recuperação, ele deverá ser validado com testes frequentes. Quanto mais bem preparada estiver a organização, mais rapidamente a operação será retomada.

Crie um plano de gestão de crise

Caso a empresa sofra um ataque cibernético, é importante estar preparado para comunicar o fato aos colaboradores e a outros públicos de interesse. O plano também serve para apresentar as medidas adotadas com o objetivo de resolver o problema.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/digitaliza-ou-desaparece-afirma-coordenador-de-mercados-e-transformacao-digital-do-sebrae/Thu, 02 Feb 2023 12:06:18 +0000https://www.emedist.com/?p=11389A pandemia da Covid-19 exigiu que negócios de todos os tipos e tamanhos tivessem que entrar no mercado digital. Na avaliação do coordenador de Mercados e Transformação Digital do Sebrae Nacional, Ivan Tonet, o e-commerce no Brasil ainda tem muito o que evoluir e oferece incontáveis oportunidades. Em artigo publicado no livro “A Virada – Como Reinventar Seu Negócio Em Tempos de Incerteza”, ele dá um ultimato aos donos de pequenos negócios brasileiros. Segundo ele, as empresas que não se digitalizarem agora vão deixar de ser competitivas no médio ou longo prazo.

“Observamos cada vez mais varejistas entrando no mercado on-line e isso gera ainda mais concorrência. Eles apostam na omnicanalidade, permitindo que os clientes encontrem a empresa e os seus produtos por todos os canais necessários”, alertou Tonet.

O livro “A Virada” foi recém-lançado no Brasil e em Portugal, por meio da editora Lisbon Internacional Press, sob coordenação do assessor da presidência do Conselho Deliberativo Nacional do Sebrae, André Spínola. Com uma coletânea de 11 artigos produzidos por analistas do Sebrae, a obra trata de assuntos como liderança, transformação digital, futurismo, mercado digital, ESG, branding, inovação, entre outros. O prefácio é assinado por Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração da Magazine Luiza.

A 5Gbet (ASN) conversou com Ivan Tonet, que é autor do artigo “Dia D do seu negócio: digitalizar as vendas ou desaparecer”. O especialista apresenta dados sobre mercado consumidor e crescimento das vendas na internet, como também orienta os leitores sobre como aproveitar as oportunidades do mercado digital.

Confira abaixo a entrevista:

ASN – Como você avalia a evolução do e-commerce no Brasil? É possível destacar os principais nichos do mercado em crescimento?
IT – O e-commerce tanto no Brasil com no mundo vem se consolidando. Quando comparado a países como EUA e China, ainda temos muito que evoluir, com muitas oportunidades. Em relação aos nichos, é preciso observar as sazonalidades, com datas comemorativas, assim como o varejo físico, mas eu destacaria o mercado pet que vem atraindo cada vez mais consumidores para o on-line e também o mercado de casa, construção e decoração. A moda e beleza seguem como sendo os segmentos mais representativos dentro de marketplaces. Também destacaria peças automotivas e o segmento de alimentos e bebidas.

ASN – Pesquisa do Sebrae apontou que os pequenos negócios utilizam principalmente as redes sociais para vender, como Whatsapp, Facebook e Instagram. Por outro lado, as lojas ou sites virtuais e marketplaces ainda são pouco utilizados. Qual é a leitura que você faz desses dados?
IT – As redes sociais apresentam maior facilidade de acesso para os empreendedores porque ele já é usuário. Contudo, é preciso ressaltar que as redes sociais ainda não são exploradas da forma que deveria porque a maioria dos empreendedores não faz uma gestão profissional para poder extrair o melhor daquele canal. No caso das lojas virtuais, o empreendedor deve primeiro avaliar a capacidade de operação dele porque necessita de uma intensa divulgação na internet para atrair o consumidor. Já no marketplace, eu acredito que a baixa adesão se dá pela falta de conhecimento da oportunidade e entendimento que pode ser mais simples do que ele pensa. O Sebrae inclusive fez parcerias com os principais marketplaces do país e disponibiliza conteúdo exclusivo para quem quer explorar essas oportunidades. Clique aqui para conhecer.

ASN – Para um empreendedor que está começando um negócio, qual conselho você daria para ele ou ela em termos de estratégia digital? Focar em um canal específico primeiro ou ir testando todos ao mesmo tempo?
IT – É importante que o empreendedor avalie qual é o canal mais adequado. Pode ser que precise de mais de um ou que comece apenas com um canal. Então, é preciso entender como cada canal funcional, de acordo com a necessidade dele e do público que ele pretende atingir, sem deixar de pensar na profissionalização da operação.

ASN – Existe algum canal de venda que você considera que ainda é subestimado pelos empreendedores ou que tem grande potencial para os pequenos negócios?
IT – Eu considero que o live commerce tem grande potencial de venda por estar muito mais conectado com o seu cliente naquele momento e consegue fazer com que ele compre mais. É algo que teve destaque durante a pandemia, depois caiu um pouquinho, mas tende a ter grande potencial para quem operar bem neste meio.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/conferencia-anprotec-inicia-trabalhos-em-salvador-com-debates-sobre-ciencia-tecnologia-e-inovacao/Tue, 06 Dec 2022 10:53:26 +0000https://www.emedist.com/?p=10152Foi aberta, oficialmente, na manhã desta segunda-feira (5), a 32ª Conferência da Anprotec, que será realizada até quarta-feira (7), no Centro de Convenções de Salvador. O evento tem como tema “200 anos de Independência: o cenário da C,T&I no Brasil” e é um grande encontro de ambientes de inovação que acontece anualmente para promover temas relacionados ao cenário de ciência, tecnologia e inovação.

Presidente do Sebrae, Carlos Melles, discursa durante a Conferência da Anprotec. Foto: Soraia Carvalho.

Presente na abertura do evento, o presidente do Sebrae Nacional, Carlos Melles, destacou a importância de dar condições para qualquer tipo de empreendedorismo alçar voo. “Nós acreditamos na inovação. Acreditamos no sonho. O que o brasileiro tem de maior e melhor é o sonho de empreender, o que é comprovado pela pesquisa GEM, que mostra o Brasil sempre nas primeiras fileiras do empreendedorismo. E, nesse contexto, a inovação é um ponto fundamental”, avaliou.

O superintendente do Sebrae Bahia, Jorge Khoury, afirmou que a inovação tem papel central nas soluções da instituição para os pequenos negócios. “Buscamos atuar, cada vez mais, para o fortalecimento dos ecossistemas de inovação em toda a Bahia, pois sabemos que há um mercado amplo para os pequenos negócios de base tecnológica. Ao mesmo tempo, trabalhamos a inovação enquanto um conceito que pode ser aplicado ao dia a dia dos negócios, impactando em resultados positivos na produtividade e na competividade”, afirmou.

O presidente da Anprotec, Francisco Sabóia, lembrou que o Brasil é um grande produtor de conhecimento científico, mas, por outro lado, está bem abaixo nos rankings de inovação e competitividade. “Essa contradição entre um país que produz conhecimento, mas não consegue converter em riqueza na ponta, na criação de novos negócios, deve ser solucionada por meio dos ambientes e mecanismos de inovação”, apontou.

Diretor de Inovação da Prefeitura de Salvador, Luís Gaban ressaltou que está na pauta da gestão municipal o investimento em projetos e eventos para o fortalecimento dos ambientes de inovação, tecnologia e empreendedorismo na capital. “Buscamos entender nossas vocações e fomentar a criatividade. Fazemos isso com a implementação de políticas de Estado e pensando no futuro”, disse.

O secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Joazeiro Pinho, representando o governo do Estado, acrescentou que é preciso também pensar na interiorização dos ecossistemas de inovação. “Essa é uma pauta importante, levando em conta um contexto em que profissionais da área de inovação e tecnologia estão cada vez mais atuando de forma remota”, afirmou.

Convênio

Assinatura de convênio de cooperação técnica e financeira durante a Conferência da Anprotec. Foto: Soraia Carvalho.

Durante a abertura do evento, foi assinado o acordo de cooperação técnica e financeira – Fampe/Inovacred entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio da Finep – Financiadora de Estudos e Projetos, e o Sebrae. Serão R$ 160 milhões investidos para garantir recursos de R$ 1 bilhão com foco em inovação, permitindo a acesso a garantias, a partir do Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa – Fampe, e também orientações para acesso a crédito.

O ministro da Ciência Tecnologia e Inovação, Paulo Alvim, falou sobre o convênio assinado e destacou a importância de garantir o acesso a crédito orientado para as pequenas empresas de inovação. “Sabemos que um dos entraves para o crédito voltado à pequena empresa está na questão das garantias. O convênio por meio do Fampe vai garantir o acesso a essas garantias. É transformador garantir o acesso a crédito, com garantia incorporada, com orientação e com o trabalho técnico desenvolvido pelas equipes do Sebrae na ponta.”

Fórum

Na programação do evento, está a realização do Fórum Sebrae de Inovação, que acontece nesta terça-feira (6). O evento e endereça conteúdos estratégicos para o Sebrae, alinhados ao tema central do evento. O Fórum abordará o Futuro da agenda de C,T&I no país.

A conferência reúne representantes do governo; incubadoras; aceleradoras de empresas; startups; grandes empresas; parques tecnológicos; ICTI; universidades; gestores públicos; gestores, gerentes e diretores de inovação do Sistema Sebrae, além do público interessado na temática.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/catalisa-ict-amplia-parcerias-para-acelerar-projetos-de-inovacao/Fri, 02 Dec 2022 14:29:14 +0000https://www.emedist.com/?p=10067A jornada do Catalisa ICT, do Sebrae, está avançando com novas parcerias, informou Paulo Renato Cabral, gerente de Inovação do Sebrae, durante a Conferência Anpei 2022, maior evento dedicado à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil, que aconteceu em Campinas (SP). O programa é destinado a todo e qualquer segmento do mercado que use o conhecimento científico para inovar.

Paulo Renato ressaltou o momento do Catalisa ICT, que passará a contar com mais capilaridade e autonomia a partir da parceria com as agências estaduais de fomento. “Pretendemos ampliar o número de projetos Catalisa ICT apoiados em 50%, com as parcerias da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e do CONFAP (Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa) com recursos estimados de R$ 80 milhões para novos projetos”, anunciou.

No último dia da Conferência Anpei 2022, os participantes conheceram planos de inovação fomentados pelo Sebrae que já capitalizam resultados promissores, como a Tolveg – Tolerância a Vegetais. Animada, Caroline Montebianco passou na primeira fase do Catalisa ICT. A microbiologista e pesquisadora da UFRJ explica que o produto de inovação oriundo de microrganismos é aplicado em plantações na proteção a doenças, permitindo a antecipação do florescimento e obtenção de maior número de frutas. “O Catalisa ICT surgiu e nos trouxe um norte muito grande, ajudou, e muito, com networking, conhecemos muitas pessoas neste processo”, diz.

Outro pesquisador que comemora os resultados com o Catalisa ICT é Fernando Zatt, da Recíclica, de Santa Catarina, que sempre pensou em pesquisa – nunca em negócios. Com o desenvolvimento do projeto voltado para a reciclagem, a empresa auxilia outras empresas a incorporarem práticas e estratégias de economia circular e ESG que agreguem sustentabilidade e eficiência às suas operações. “Ingressamos no Catalisa ICT e agora estamos voando: temos vários produtos, muito além do que planejamos”, contou, comemorando o primeiro cliente da empresa.

A segunda fase do programa do Sebrae tem acelerado muitos projetos em inovação. Marcos Cardoso, pesquisador do SEMINE, iniciou os estudos em agricultura irrigada, na disciplina de Empreendedorismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Com o edital do Catalisa ICT, recebeu recursos para avançar no projeto, voltado para a irrigação inteligente. “Passamos por processos de validação e protótipos até chegar ao produto. Em menos de um ano, o Catalisa ICT proporcionou mudanças dentro da Universidade com outras pesquisas agregando valor ao nosso produto.” O produto será lançado em janeiro do próximo ano.

O processo de inovação nas grandes empresas

Nesta edição da Conferência Anpei, os pesquisadores acompanharam o chamado pitch invertido. Empresas como Fundo Vale, 3M, Basf e Ambev apresentaram aos pesquisadores como é realizado o investimento e a atuação em seus projetos de inovação aberta. Na área externa do evento, empresas do Catalisa ICT dialogaram com o público, apresentando produtos e cases de sucesso. Entre eles, estavam: Entomotec, AIPER, Trashin, Beelog, Lotik, SPIRON, Santa Food, Innsumo Soluções Biotecnológicas, RenovatioMed, Vivmais, Datasyn, Dosimagem, daNatureza, Recycle 13, Plasmotech, Diagnóstico Funcional Bucal, Todo Corpo Veste Bem, deskMy, 7waves

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/palco-sebrae-discute-investimento-para-black-founders-no-rio-innovation-week/Fri, 11 Nov 2022 21:46:52 +0000https://www.emedist.com/?p=9433O último dia do Rio Innovation Week foi marcado pela discussão sobre diversidade e representatividade no empreendedorismo inovador. O espaço Sebrae Like a Boss contou com a presença da mentora e investidora Lívia Félix e do CEO da UnicaInstancia, Gilmar Bueno. O bate-papo descontraído foi comandado pelo líder de ecossistemas do The Black Enterpreneurs Club, Douglas Vidal. Com ampla experiência no mercado, eles compartilharam conhecimentos adquiridos e deram dicas sobre como e onde buscar investimentos para empreender como black founder, expressão utilizada para identificar empreendedores negros que lideram negócios, como startups.

Na opinião da investidora e mentora Lívia Félix, o Brasil ainda tem muito o que avançar quando o assunto é crédito para afroempreendedores. Segundo ela, os empreendedores negros somam mais de 14 milhões no país, mas são três vezes mais rejeitados em se tratando de crédito.

“Quando olhamos para o ecossistema de afroempreendedorismo, infelizmente, nós não temos tanta atenção como deveríamos. Então, programas de captação dos quais eu faço parte, como BlackWing, por exemplo, têm um objetivo de trazer luz para esses negócios. Acredito que estamos caminhando e há muita potência neste movimento”, analisou.

Os três foram unânimes sobre a importância de construir redes de relacionamento e manter a constância no propósito. “Tem coisas que eu somente aprendi no campo de batalha e posso dizer que é muito diferente do que aparece nos filmes ou no streaming. Para mim, o relacionamento precede o investimento. É como se fosse um namoro que vai virar um casamento, porque a depender do fundo de investimento, a parceria pode durar até 10 anos”, afirmou Bueno, que já captou investimentos com o Google.

Por outro lado, Lívia deu dicas de como os empreendedores podem fazer uma aproximação adequada com os investidores. “Como eu já estive do outro lado e sou mentora, consigo enxergar o momento do investimento sob outras perspectivas. Eu costumo fazer as perguntas certas porque geralmente o empreendedor foca somente no sonho e esquece do entregável. Então, como investidora, eu quero saber como o negócio pretende ser sustentável e vai impactar vidas direta e indiretamente”, explicou.

Os palestrantes também destacaram a importância de entender que o investidor não é a pessoa que vai entrar com o dinheiro no negócio. “É preciso ter a visão de que ele ou ela também tem o capital intelectual que pode perdurar muito mais do que o recurso financeiro em si e ser muito mais enriquecedor no final das contas”, declarou Lívia. Gilmar lembrou que é muito difícil colocar o “smart money” no contrato e, por isso, o empreendedor deve estar preparado para lidar com vários tipos de investidores. “Eu faço essa analogia do namorar um pouco antes de casar, porque na prática é isso que acontece. Por isso é sempre bom conhecer muito bem o investidor antes. Vai ter aquele investidor que participa de tudo e tem outro que fica em uma posição de conselheiro”, alertou.

Ao longo dos quatro dias do Rio Innovation Week, o palco Sebrae apresentou a discussão de temas variados, com a presença de especialistas, influenciadores e empreendedores renomados no mercado. Além disso, o Sebrae levou 300 startups para o evento considerado o maior encontro de tecnologia, inovação e negócios da América Latina.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/programa-que-internacionaliza-startups-no-ranking-da-plataforma-de-inovacao-aberta-lider-na-america-latina/Fri, 11 Nov 2022 19:04:07 +0000https://www.emedist.com/?p=9426O programa de internacionalização de startups StartOut Brasil foi elencado pela mais importante plataforma internacional de conexão entre corporações e startups, a 100 Open Startups, como um dos 10 principais atores do ecossistema de inovação do país. O anúncio ocorreu nessa terça-feira (8), em São Paulo. Dentre os TOP 25 agentes do ecossistema, o StartOut Brasil ficou na oitava posição como um dos que mais contribuiu na trajetória das empresas premiadas pela plataforma em 2022. Das 300 startups classificadas como as mais atraentes para o mercado, 36 indicaram o StartOut Brasil como um ecossistema relevante, sendo que pelo menos 19 delas já foram diretamente atendidas pelo programa. Todas elas ficaram entre as TOP 10 dentro de suas categorias.

“Para nós, do Sebrae, é um reconhecimento por parte do ecossistema de startups, demonstrando que o programa entrega e gerou valor nestes cinco anos desde que foi criado, em que já conectou mais de 220 startups em mais de 13 ecossistemas no exterior, gerando mais de 24 milhões de dólares em negócios”, afirma o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Desde 2016, a 100 Open Startups classifica e premia anualmente todos os atores envolvidos no ecossistema de inovação do país. Neste ano, a partir de dados coletados nos últimos 12 meses, a plataforma mapeou 608 agentes do ecossistema, levando em conta a quantidade de startups e corporações premiadas que indicaram e reconheceram a contribuição desses atores em suas trajetórias. A plataforma também mapeou 300 startups e 250 corporações para concorrer ao ranking de suas categorias.

A 100 Open Startups é a plataforma de inovação aberta pioneira e líder na América Latina, que tem como missão transformar o mercado e a sociedade a partir da inovação pela colaboração entre empresas e startups. “Mais uma vez, nosso levantamento aponta a importância da contribuição direta de um ou mais atores do ecossistema na evolução das startups. Segundo os dados, 35% reconhecem tal contribuição, porcentagem que sobe para 87% entre as startups TOP 10 das 30 categorias do Ranking 100 Open Startups 2022”, afirmou Bruno Rondani, CEO da plataforma.

Dentre as startups premiadas que já participaram do StartOut Brasil, duas delas ficaram em primeiro lugar dentro das suas categorias. A startup Pix Force, do Rio Grande do Sul, foi a líder na categoria de Inteligência Artificial. A empresa participou dos ciclos Boston e Nova York e participará também do próximo, que vai ocorrer em Chicago. Já a mineira NVoip ficou em primeiro lugar na categoria de serviços ao cliente. A startup participou do ciclo Santiago, no Chile, que o programa realizou no primeiro semestre deste ano. As startups selecionadas pelo Ranking TOP 100 que já participaram do StartOut Brasil ficaram entre as TOP 10 das categorias de AgroTech, Big Data, BioTech, CleanTech, Costumer Service, Edtech, Energy, Fintech, HRtechs Recrutamento, HealthTech e Artifiicial Inteligence.

Criado em 2017, o StartOut Brasil é desenvolvido pelo Sebrae em parceria com o Ministério de Relações Exteriores, Ministério da Economia, ApexBrasil e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). O programa auxilia a inserção de startups brasileiras nos mais promissores ecossistemas de inovação do mundo, promovendo ações de capacitação e rodadas de negócio com importantes players desse ecossistema em diferentes países, em formato on-line e presencial. Nos últimos cinco anos, o programa gerou mais de US$ 24 milhões em negócios e realizou 13 ciclos em nove países, entre os quais Estados Unidos, França, Alemanha, Chile, Colômbia, China, Portugal, Canadá e Argentina. Ainda neste mês, mais um ciclo do programa vai ocorrer em Chicago, nos Estados Unidos, onde 15 startups participarão de inúmeras atividades voltadas ao processo de internacionalização.

Mudança de identidade

Após cinco anos atuando na internacionalização de startups brasileiras mundo afora com o nome StartOut Brasil, a partir de 2023, o programa passará a ser chamado Startup OuReach Brasil. A identidade muda, mas a proposta do programa seguirá sendo a mesma. A agenda do próximo ano já tem programação prevista e as inscrições para o próximo ciclo, que vai ocorrer no primeiro semestre em Madri e Barcelona, na Espanha, já estão abertas. Para mais informações e inscrições, acesse https://www..

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/internacionalizacao-de-startups-e-tema-de-palestra-no-rio-innovation-week/Thu, 10 Nov 2022 01:38:16 +0000https://www.emedist.com/?p=9387As startups que desejam internacionalizar seus negócios, mas não sabem por onde começar, tiveram a oportunidade de acompanhar, nesta quarta-feira (9), a palestra do líder de projetos internacionais do Inova Mais, Rafael Rodrigues, no palco Sebrae. Segundo ele, a entrada no mercado internacional precisa deixar de ser um tabu para os pequenos negócios brasileiros, principalmente quando se trata de inovação e tecnologia.

“Quando se fala em internacionalizar, não quer dizer que você vai abrir uma filial ou uma representante da sua empresa em outro país, mas sim que você vai olhar para fora em busca de investimentos, oportunidades, editais e parcerias”, destacou o palestrante. Durante o painel, Rafael também apresentou as possibilidades de internacionalizar negócios, com apoio de iniciativas como o programa Sebrae Like a Boss, parceria do Sebrae com o Instituto Inova Mais. Segundo ele, o programa surgiu para atender a uma demanda por qualificação para o mercado internacional, além de oferecer conexão com os principais players internacionais parceiros.

“Percebemos que não existia ainda uma iniciativa que preparasse as startups para se conectarem como o mercado internacional. Muitas empresas conseguiam oportunidades para participar de missões internacionais de negócios, mas quando chegavam lá não estavam preparadas para enfrentar os desafios que viriam pela frente”, contou.

Até o momento, o programa já conseguiu confirmar mais de 20 parceiros institucionais locais e internacionais, como Unknown Group, EWC, UGlobally, AWS, Venture CUP China, U.Experience, entre outros. Além disso, inclui 13 parcerias com ecossistemas internacionais em países como EUA, Portugal, Holanda, UK, China, Estônia/Finlândia, Israel, Canadá, Arábia Saudita e Colômbia.

Confira abaixo algumas dicas do especialista para as startups que pensam em internacionalizar seus negócios:

  1. Faça um brainstorm com sua equipe para quebrar os tabus relacionados ao assunto. Neste primeiro momento, é preciso desmitificar o que é internacionalização e olhar para as oportunidades, identificando as possibilidades fora do país.
  2. Não tenha medo ou vergonha de buscar parceiros que já atuam no mercado internacional para te orientar, tirar dúvidas e ajudar na tomada de decisão de como adaptar seu negócio.
  3. Conheça as iniciativas do Sebrae para internacionalização de negócios como o Sebrae Like a Boss, que oferece capacitação gratuita com trilhas de conhecimento e conexão.
  4. Fique ligado nos editais disponíveis e procure se informar sobre empresas ou hubs de tecnologia existentes no país do seu interesse.
  5. Pesquise quem já internacionaliza e procure identificar quais foram os principais desafios que enfrentaram.

Para conhecer as capacitações gratuitas disponíveis, basta acessar a plataforma Startup Global.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/resultados-do-brasil-mais-e-credito-para-inovacao-sao-destaque-no-primeiro-dia-do-rio-innovation-week/Wed, 09 Nov 2022 18:21:17 +0000https://www.emedist.com/?p=9369Os resultados do Brasil Mais, programa coordenado pelo Ministério da Economia, em parceria com o Sebrae, Senai e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), foram destaque no primeiro dia do Rio Innovation Week. A iniciativa alcançou mais de 100 mil pequenos negócios em dois anos, com apoio dos Agentes Locais de Inovação (ALI), que atuam a partir de metodologia consolidada em 12 anos pelo Sebrae.

Durante apresentação no Espaço Sebrae Like a Boss, o gerente adjunto de Inovação do Sebrae, Paulo Puppin, ressaltou o esforço conjunto dos parceiros envolvidos e os principais números do Programa. Segundo ele, os próximos passos incluem dobrar o número de ALI para atendimento em todo o país, incluindo agentes especializados em Transformação Digital.

“É um momento de comemoração. Alcançamos nossa meta com impactos significativos de produtividade e aumento de faturamento dos pequenos negócios, mesmo diante de uma pandemia. Estamos falando de 784 mil pessoas trabalhando nessas micro e pequenas empresas e 2,3 milhões de pessoas com suas famílias impactadas”, celebrou. De acordo com Puppin, os ganhos de produtividade chegaram, em média, a 22% nas empresas atendidas com 8% de aumento do faturamento real.

Ao lado dele, o secretário de Inovação e Micro e Pequenas Empresas do Ministério da Economia, Bruno Portela, reconheceu o Brasil Mais como o maior programa de produtividade do país. “Atuamos para melhorar o ambiente de negócios, mas também para permitir elevar a maturidade digital das empresas brasileiras, promovendo a transformação digital”, comentou. No mesmo painel, a assessora especial da presidência da ABDI, Andrea Macera, ressaltou o sucesso da iniciativa. “É um programa que se mostrou flexível, com o desenvolvimento de novas fases que foram se adequando às necessidades econômicas que surgiram”, frisou.

O gerente executivo de Inovação e Tecnologia do Senai, Roberto Medeiros, por sua vez, contou relatos de empreendedores atendidos. “É muito gratificante ouvir de um empresário que se não fosse pelo Brasil Mais ele teria fechado as portas durante a pandemia”, comentou. Em sua fala, Medeiros ressaltou a aplicação da tecnologia 4.0 para melhorar os processos industriais por meio da modalidade de smart factory e lembrou que o Senai está com editais abertos para selecionar empresas para o desenvolvimento de soluções. Detalhes no endereço eletrônico:http://plataformainovacao.com.br.

Crédito para inovação

O palco do Sebrae também recebeu o gerente de operações descentralizadas da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Gustavo Barcelos. Ele apresentou as linhas de crédito oferecidas pela Finep para os empreendedores que querem inovar em parceria com o Sebrae, como o Inovacred e Inovacred Expresso. Ao todo, estão sendo disponibilizados R$ 1 bilhão para o financiamento de projetos de inovação com apoio do Sebrae e de mais 20 agentes financeiros parceiros em todas as regiões do Brasil. Em média, as operações de crédito para as MPE variam de R$ 200 a R$ 250 mil. Mais detalhes aqui.

Segundo Medeiros, a disponibilização, por parte do Sebrae, de consultorias gratuitas para os empreendedores é fundamental e a participação em iniciativas da instituição, como Sebraetec, Inova Amazônia, Brasil Mais e Catalisa, podem contar como critérios de elegibilidade para a tomada de crédito em linhas específicas, como o Inovacred Expresso. “Essas orientações, por si só, já são um grande mitigador de risco. Quando o agente financeiro faz a análise financeira e identifica que a empresa está recebendo uma consultoria do Sebrae, auxiliando na submissão do projeto e acompanhamento, isso pontua favoravelmente na análise de garantias, facilitando o acesso ao crédito”, finalizou.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/rio-innovation-week-mobiliza-ecossistema-de-tecnologia-inovacao-e-negocios-do-pais/Mon, 07 Nov 2022 11:00:28 +0000https://www.emedist.com/?p=9323O Sebrae e mais 300 startups selecionadas pela instituição estão de malas prontas para a Rio Innovation Week (RIW 2022), que acontece de 8 a 11 de novembro na capital carioca. Considerado o maior encontro de tecnologia, inovação e negócios da América Latina, o evento contará com uma estrutura de 50 mil m², 27 conferências, 700 palestrantes e mais de 2 mil startups participantes.

A programação tem personalidades internacionais como o cineasta e roteirista Spike Lee; o vocalista da banda Iron Maiden, Bruce Dickinson; o presidente e editor da Forbes, Steve Forbes; e o empreendedor serial do Vale do Silício e professor de Stanford Steve Black; além de palestrantes nacionais como Nizan Guanaes, sócio-fundador do Grupo ABC de Comunicação; Bianca Andrade, a Boca Rosa, youtuber, influenciadora digital e empresária; e Rebeca Andrade, ginasta brasileira e campeã olímpica.

O Sebrae desembarca no RIW apresentando todos os seus programas, com atendimento personalizado ao público no estande oficial. O Palco Sebrae trará uma agenda específica para as micro e pequenas empresas nas mais diversas áreas, durante os quatro dias do encontro.

Os Agentes Locais de Inovação (ALI) também estarão distribuídos por todo o RIW, oferecendo consultoria e iniciação em inovação para os negócios interessados. Mais de 50 profissionais atuarão divididos por áreas estratégicas como transformação digital, educação e agronegócio.

]]>
5Gbet - Estrutura – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/inovacao-e-tecnologia/capital-empreendedor-realiza-circuito-em-sao-paulo-com-60-startups-de-todo-o-pais-e-mais-de-150-investidores/Thu, 03 Nov 2022 14:13:40 +0000https://www.emedist.com/?p=9279Reconhecido como um dos maiores projetos nacionais de fomento aos investimentos em startups, o Capital Empreendedor, iniciativa capitaneada pela Sebrae, realizará, nos dias 28 e 29 de novembro, o circuito de investimento em evento presencial, na cidade de São Paulo. A fase final do ciclo 2022 do programa levará 60 empresas inovadoras para um encontro com mais de 150 investidores do país inteiro.

Durante os dois dias, os empreendedores estarão imersos em uma programação voltada ao mercado de investimentos. No dia 28, haverá oficinas coletivas com as 60 startups que possuem representantes de todas as cinco regiões do país, networking, trocas de experiências e preparo final para a interação com os investidores.

Na sequência, João Kepler, da Bossa Nova Investimentos, fará uma apresentação sobre as perspectivas econômicas para 2023 e como fica a previsão de investimentos em startups. No dia 29, estão previstas as rodadas de investimentos durante a manhã e a tarde. Em seguida, acontece a apresentação dos resultados e cases de sucesso do Capital Empreendedor 2022.

Edição inovadora

Em sua quinta edição, o Capital Empreendedor já se consolidou como uma referência na formação e capacitação de empresas para performarem no mercado de investimentos de risco. No total, 1.070 startups de todos os estados brasileiros já foram atendidas com mais de 16 mil horas de capacitação. Dessas, 128 empresas inovadoras receberam investimentos que somam R$ 126,9 milhões.

De acordo com a analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae Maria Auxiliadora, além do capital investido, é preciso destacar o potencial de inovação e de troca de experiência proporcionado pela iniciativa. “O Sebrae entende que a relação entre investidor e startup vai além do capital financeiro. É sobre acreditar em um modelo de negócio inovador, investir tempo, promover conexões, trocar experiências. O Programa expandiu sua atuação em 2022, para fortalecer o ambiente de negócios, com a capacitação de investidores anjo no Paraná.”, revela.

Nesta edição, além da formação de empreendedores com oficinas, mentorias e workshops, o Capital Empreendedor colocou em prática no estado do Paraná o projeto piloto de formação de investidores anjo, com 15 pessoas aptas para iniciarem investimentos em startups. No ano que vem, a ideia é expandir para o Brasil.

“A ideia é que essas pessoas entendam o modelo de negócio e a dinâmica de uma startup. Além do dinheiro, ela precisa contribuir com todas as etapas de crescimento e evolução do negócio em que está investindo. Quando aportar recursos financeiros na startup, levará na bagagem a experiência, networking, acesso a novos mercados e conhecimento que possa ajudar no crescimento da empresa investida”, completa Maria.

A edição 2023 do Capital Empreendedor está confirmada e abrirá inscrições gratuitas em março. Acesse todas as informações sobre o programa aqui.

]]>
5Gbet Mapa do site