5Gbet - gelato – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasMon, 04 Dec 2023 12:38:27 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.4.35Gbet - gelato – 5Gbet – 5Gbethttps://www.emedist.com/cultura-empreendedora/inclusao-para-todos-empreendedor-surdo-cria-franquia-de-gelatos-e-fatura-r-16-milhao-por-ano/Mon, 04 Dec 2023 12:38:27 +0000https://www.emedist.com/?p=18898Inconformado pela falta de oportunidade de crescimento profissional e pelo preconceito no mercado de trabalho devido à condição de surdo, Breno Oliveira decidiu empreender. O plano inicial, de abrir um bike food de açaí e paletas, transformou-se em uma gelateria artesanal em Aracaju (SE). Sete anos mais tarde, a aposta de Breno em criar um negócio saboroso, inclusivo e acessível mostra-se mais do que lucrativa. A Il Sordo (O Surdo, em italiano) possui duas lojas próprias, duas lojas franqueadas e fatura R$ 1,6 milhão por ano. O reconhecimento vai além: a empresa foi indicada ao Prêmio Veja, participou do Shark Tank e é certificada por sua excelência pela TripAdvisor, com nota máxima.

“Não aceitei ser como outras pessoas com deficiência auditiva que trabalham anos sem serem promovidos. Fui minimizado em entrevistas de emprego, muitos recrutadores não acreditavam na minha capacidade, não aceitavam a surdez”, lembra o empresário, que até então atuava como instrutor de Libras. Com o apoio da família e orientado pelo Sebrae, Oliveira mergulhou no universo do empreendedorismo e se matriculou em um curso de produção de sorvete italiano numa escola em São Paulo. Ele se apaixonou de imediato e, após estudos de custo e investimento, conseguiu abrir o negócio em Aracaju.

Desde seu primeiro gelato, a marca registrada da Il Sordo foi o ambiente inclusivo com atendimento feito por surdos, experiência da cultura desse grupo e produtos acessíveis a todos os tipos de pessoas. Cardápios adaptados e placas informativas dos produtos com alto contraste para pessoas com baixa visão facilitam os pedidos e a identificação dos sabores. No televisor, vídeos ensinam sinais básicos de libras para pedir amostra de sorvete ou agradecer o serviço, por exemplo.

“Quem vem pela primeira vez não sabe bem como interagir. É o mesmo impacto que sentimos lá fora, mas aqui abrimos as portas para a diversidade. Os clientes são acolhidos, perdem a insegurança e passam a se comunicar melhor com os surdos”, afirma Oliveira, orgulhoso. As dependências da Il Sordo também atendem outros requisitos, como rampa de acesso e adaptações para cadeirantes.

Acessibilidade também no cardápio

A Il Sordo comercializa produtos para pessoas com intolerância a glúten, lactose ou açúcar, e para veganos. Todos os públicos são bem-vindos: as crianças podem desenhar na loja, que também é pet friendly e bike friendly. “Aderimos a todo tipo de recurso que facilite a interação e a comunicação na loja, facilitando a acessibilidade e reconhecendo a diversidade. A acessibilidade não é, na nossa visão, algo para pessoas com deficiências. Eh uma preocupação permanente de cuidado com todos, todos precisam de um ambiente e produtos acessíveis”.

A empresa apostou na inclusão e hoje colhe os frutos. Além da matriz, a Il Sordo tem dois outros pontos de venda na capital sergipana e duas lojas franqueadas em Salvador, que são lideradas também por um empresário com deficiência auditiva. Juntas, as unidades empregam 15 surdos nas funções de atendimento, supervisão e produção do gelato, mantendo sempre a proporção de 80% do quadro com PCD. “Entre nós não há barreiras. Os clientes entram no nosso mundo. Somos referência no Brasil em acessibilidade e, assim, mostramos do que o surdo é capaz”.

Crescimento turbinado

Surfando a onda da expansão, a Il Sordo chegou a faturar R$ 1 milhão ao longo de 2019. Já na pandemia de Covid-19, a queda abrupta da receita foi atenuada basicamente pelas entregas em domicílio. Foi quando Breno se viu obrigado a tomar uma medida drástica e fechar três lojas. Em 2021, o faturamento voltou a subir e a empresa fechou o ano com receita de R$ 900 mil. 2022 seguiu a curva de crescimento, faturando o total de R$ 1,6 milhão. “Sou grato até pelos problemas porque eles me motivaram a inovar, diversificar produtos, aprimorar o atendimento e me tornar mais forte”, afirma Breno.

O empreendedor faz questão de reconhecer o apoio incondicional dos pais, da esposa, de sua equipe e de toda a comunidade surda. Destaque também para o papel do Sebrae, que ofereceu a Breno a oportunidade de se preparar com os cursos Canvas Business e Empretec e de participar da Feira do Empreendedor. “O Sebrae me deu suporte desde o dia em que comecei a estudar como abrir uma empresa. Ali aprendi a fazer o plano do negócio e toda a gestão. Graças ao direcionamento do Canvas Business, mudei a marca de Breno’s para Il Sordo, adequando o nome ao conceito do negócio”, afirma.

Inclusão que multiplica

A trajetória da Il Sordo traz à tona a realidade do preconceito enfrentado anos antes por Breno. Ele passou a ser procurado por dezenas de pessoas com deficiência auditiva em busca do primeiro emprego. “As mensagens não paravam de chegar. Eles vinham atrás de trabalho angustiados, desestimulados, sem condições financeiras. Aos poucos fomos treinando e contratando novas pessoas. A maioria nunca tinha sido aceito em emprego formal”, conta Breno.

O empreendedor descreve sua luta para tornar visíveis as pessoas com deficiência auditiva, assim como sua satisfação em preparar a sociedade para se relacionar com essas diferenças. “Empreender é ter entusiasmo e um propósito claro para transformar os problemas em soluções e impactar positivamente a sociedade, é uma aspiração nobre”. Sobre o futuro, o empresário adianta que a 5ª loja da Il Sordo será inaugurada em Aracaju ainda este ano, com previsão de expansão de franquias em outros estados.

]]>
5Gbet Mapa do site